Você perguntou qual o significado de o pastor de sua igreja orar e empurrar as pessoas para trás para que caiam no chão. O pastor empurrar pessoas durante a oração significa que ele é um grande enganador cujo objetivo é exercer domínio sobre as ...
‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ 

Your email updates, powered by FeedBlitz

 
Here are the FeedBlitz email updates for you. Click here to start your FREE subscription



O que significa quando o pastor empurra as pessoas para caírem? and more...

O que significa quando o pastor empurra as pessoas para caírem?

Você perguntou qual o significado de o pastor de sua igreja orar e empurrar as pessoas para trás para que caiam no chão. O pastor empurrar pessoas durante a oração significa que ele é um grande enganador cujo objetivo é exercer domínio sobre as pessoas para escravizá-las e que essas pessoas que o seguem não têm qualquer noção da verdade da Bíblia.

Você viu alguém empurrar alguém na Bíblia? Não. Então isso é um truque ensinado por pentecostais para impressionar as pessoas e fazer de conta que elas estão caindo sob o poder do Espírito Santo ou possuídas por algum demônio. Evidentemente irão concluir que é o lobo, isto é, pastor quem tem poder supostamente dado pelo Espírito para controlar seus seguidores.

Um ex-estudante de teologia que fez curso numa escola pentecostal me contou o que aprendeu lá. Embora fosse uma técnica para a pessoa cair sozinha, sem ser empurrada, a malandragem é a mesma. Disse ele que foi ensinado a colocar a mão na nuca da pessoa em pé e começar a orar, de preferência falando uma língua que ninguém entende, e ir pouco a pouco fazendo pressão com a mão para a frente. O instinto de qualquer um que tem sua nuca empurrada é resistir, ou seja, fazer força na direção contrária, para trás.

Então quando o pastor percebe que a pessoa já está forçando bastante ele dá um grito do tipo "Eu te expulso, demônio, em nome de Jesus!" e solta a mão da nuca. Nessa hora a pessoa continua com seu esforço para trás e, sem o apoio da mão do pastor, acaba perdendo o equilíbrio e caindo de costas. Isto acontece porque nossos pés conseguem resistir uma pressão de trás para não cair para a frente, mas nossos calcanhares não têm qualquer apoio para evitar cairmos para trás.

Meu conselho: Fuja de tudo que cheirar a pentecostalismo, principalmente vindo desses enganadores que pedem dinheiro no rádio e na TV, que dizem curar tudo, mas quando foram impedidos de fazer seus cultos de arrecadação de dinheiro por causa da pandemia do Covid-19 fugiram para o meio virtual e continuaram prometendo curas à distância mediante ofertas. Se realmente possuem tamanho poder de cura de todas as enfermidades, por que não se ofereceram para esvaziar as UTIs cheias de gente morrendo de falta de ar?

Esses enganadores estão simplesmente fazendo aquilo que estava previsto na Palavra de Deus, e se eles não existissem a Bíblia estaria errada. Veja o que o apóstolo Pedro previu:

"E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade; e, por avareza, FARÃO DE VÓS NEGÓCIO com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita." (2 Pe 2:1-3).

A cristandade, que é o conjunto de todos os que professam ser cristãos, será esvaziada dos cristãos genuínos no dia do arrebatamento da Igreja, que é formada apenas pelos verdadeiros salvos. Ficará na terra a casca vazia que em Apocalipse é chamada de "grande Babilônia", e também "grande Meretriz", porque aquela que deveria representar a Noiva do Cordeiro acabou se vendendo em troca de vantagens no mundo, como faz qualquer prostituta, e também comercializando "corpos e almas de homens", algo que os falsos pregadores já fazem hoje. É dessa que fala o livro de Apocalipse:

"Estarão de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! Ai daquela grande Babilônia, aquela forte cidade! Pois numa hora veio o seu juízo. E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra, porque ninguém mais compra as suas mercadorias: mercadorias de ouro, e de prata, e de pedras preciosas... E DE CORPOS E DE ALMAS DE HOMENS." (Ap 18:10-12).

Se você tem dificuldade em distinguir o falso do verdadeiro, escute o que disse o verdadeiro, o próprio Senhor, quando se dirigia aos religiosos de seu tempo que impunham cargas pesadas sobre seus seguidores fazendo com que se esquecessem que o Deus verdadeiro é um Deus de misericórdia e graça; misericórdia por não nos dar o que merecemos, que é o juízo eterno, e graça por nos dar o que não merecemos, que é a salvação eterna e um lugar na casa do Pai:

"E qual o pai de entre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, também, se lhe pedir peixe, lhe dará por peixe uma serpente? Ou, também, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?" (Lc 11:11-13).

Ao falar da disposição do Pai em ser propício para com os que o buscam, em atender independente de quem venha a ele e de que modo venha, ele estava denunciando todos os que colocam tropeços e dificuldades para alguém que queira ser perdoado e salvo eternamente. Que dificuldades seriam essas? Ora, você já não ouviu pessoas dizerem que se você não falar o nome de Jesus em hebraico não será atendido por ele? Pense no absurdo dessa afirmação! Ainda que alguém aprenda o hebraico hoje essa pessoa nunca terá certeza de estar pronunciando as palavras corretamente, pois não existem gravações em áudio do hebraico que era falado há milênios.

Basta reparar que o próprio idioma português, que herdamos de Portugal, não é falado do mesmo modo hoje no Brasil como é em seu país de origem. E mesmo dentro do Brasil as pronúncias variam de região a região, então você encontrará alguns pronunciando "Jesús", outros "Jezuiss", outros "Jésuis" e assim por diante. Os que exigem que se fale o nome de Jesus em hebraico — ou impõem qualquer outra lei ou regra para a salvação — são os que querem dominar sobre seus seguidores impondo fardos, como faziam os judaizantes no princípio da Igreja que exigiam o ritual da circuncisão como condição para a pessoa ser salva.

"Então alguns que tinham descido da Judeia ensinavam assim os irmãos: Se não vos circuncidardes conforme o uso de Moisés, não podeis salvar-vos." (At 15:1).

Um judeu não podia ser circuncidado por si mesmo, mas por outro, portanto entrava aí outra pessoa nesse processo de salvação. A ação do Espírito Santo convencendo o pecador a crer em Jesus não seria suficiente assim. Uma passagem em Gálatas explica o motivo que havia por detrás da insistência desses de que seus seguidores se circuncidassem: Queriam poder se gloriar nos que agiam assim, isto é, podiam se gabar de ter exercido influência sobre eles para que tivessem sua carne marcada por uma ordenança imposta por eles:

"Todos os que querem mostrar boa aparência na carne, esses vos obrigam a circuncidar-vos, somente para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. Porque nem ainda esses mesmos que se circuncidam guardam a lei, mas querem que vos circuncideis, para se gloriarem na vossa carne." (Gl 6:12-13).

A sã doutrina dos apóstolos ensina que para o crente hoje a circuncisão, que representa o desvencilhar-se da carne, é de coração, e não física e exterior. "É circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus." (Rm 2:29). Substitua "circuncisão" por "chamar Jesus em hebraico", ou "ser batizado na Congregação", ou "vestir moda evangélica", ou "não cortar o cabelo", ou "dar o dízimo", ou participar de qualquer evento ou ritual e você irá entender o que estou falando. Isso não é diferente do que faziam os fariseus e doutores da Lei que Jesus denunciava como querendo ter controle sobre seus seguidores:

"Ai de vós, fariseus, que amais os primeiros assentos nas sinagogas, e as saudações nas praças. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! que sois como as sepulturas que não aparecem, e os homens que sobre elas andam não o sabem... Ai de vós também, doutores da lei, que carregais os homens com cargas difíceis de transportar, e vós mesmos nem ainda com um dos vossos dedos tocais essas cargas... Ai de vós, doutores da lei, que tirastes a chave da ciência [ou conhecimento]; vós mesmos não entrastes, e impedistes os que entravam." (Lc 11:43-44, 46, 52).

Reparou que tudo tem a ver com o exercer poder e controle sobre as pessoas? Alguém me escreveu perguntando sobre a validade de uma espécie de retiro espiritual que faz encenações de cristãos perseguidos para causar um impacto radical em seus participantes. Isso já foi caso de polícia em uma cidade onde os moradores pensaram ser um ataque de marginais, já que os atores estavam armados com armas airsoft.

O site do evento diz: "Resumindo, é um projeto de Deus, pode ter certeza. Nos dê esse voto de confiança e voltará uma nova pessoa depois de participar.". Dizer que algo é "projeto de Deus" é a primeira pista para você deve desconfiar, pois se fosse de Deus não pediriam seu voto de confiança, não a Deus, mas aos organizadores. E será que não posso me tornar uma "nova pessoa" nascendo de novo e crendo em Jesus? O que se deduz? Que mais uma vez temos homens buscando colocar rédeas em seus seguidores para manipulá-los com técnicas de psicologia e persuasão.

Antes de minha conversão, ainda adolescente, participei de um retiro católico chamado TLC ou "Treinamento de Líderes Cristãos", e mesmo sendo bobo como eu era aos quinze anos de idade percebi claramente a manipulação feita por meio de palavras de ordem, momentos de emoção piegas e teatro de arrancar lágrimas dos participantes.

Na coleta da missa o choro era geral, porque um dos organizadores ofertou uma vassoura e outros objetos que tinham sido usados durante o retiro. Como ninguém entendeu, precisaram explicar e dar um sentido espiritual àquela vassoura, que mesmo assim em nenhum momento saiu voando pelo salão.

O que essas coisas têm em comum? Manipulação e terrorismo psicológico, fazendo você acreditar que sem as pessoas que promovem isso você não poderá ser salvo ou ser nova criação em Cristo. Vai sempre precisar de um pastor, missionário, bispo, apóstolo ou seja lá que título esses homens adotam para si. Ou vai precisar também de certos ensinos herméticos, retiros espirituais ou condições que só alguns têm para oferecer e sem eles você nunca irá entender o suficiente para ser salvo.

Já fui adepto de filosofias orientais e antes de minha conversão cheguei a ser membro da Seicho-no-iê por três anos e também fanático de alimentação macrobiótica. A fórmula toda é a mesma também nessas filosofias e religiões, nunca Cristo é suficiente, sempre precisa de alguém ou algo adicional. Os que se deixam levar por essa tática acabam viciados como quem acha que não vai conseguir viver sem a droga que experimentou e viciou.

Alguém me escreveu dizendo que perguntou em um site se confessar a Cristo como seu Senhor seria suficiente para sua salvação e a resposta foi: "Fazer sozinho não adianta, por mais que a intenção de seu coração esteja certa. Precisa ser em voz alta e em público, você precisa aceitar Jesus com alguém, no mínimo uma outra pessoa que já tenha aceitado Jesus em voz alta".

É evidente que tal ideia é completamente impossível e absurda, pois faz a salvação depender não só da fé em Cristo e em sua obra na cruz, mas também de outras pessoas, no caso as testemunhas que diz serem necessárias na hora da conversão. E a coisa fica ainda mais bizarra quando diz que precisa ser com alguém que já tenha aceitado Jesus em voz alta, o que cria a necessidade de uma testemunha da testemunha, porque como você iria saber se aquele para quem está confessando crer em Jesus um dia também aceitou em voz alta diante de outra testemunha?

Sobre isto Bruce Anstey comenta em seu livro "Definições Doutrinais":

A Escritura indica que há dois tipos de confissão entre os homens. Uma delas é a confissão de “Jesus como Senhor” e está relacionada com a salvação inicial da alma (Rm 10:9-10) e a outra é a confissão de pecados, que está relacionada com a restauração de um crente que falhou (1 Jo 1:9).

Muitos Cristãos evangélicos pensam que, para que alguém seja verdadeiramente salvo, deve fazer uma confissão pública de sua fé em Cristo. Romanos 10:9 é usado para apoiar essa ideia. Diz: “Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus [a Jesus como Senhor – TB], e em teu coração creres que Deus O ressuscitou dos mortos, serás salvo”. Como resultado, os pregadores evangélicos muitas vezes impelem confissões públicas em suas reuniões e comícios evangélicos. Eles fazem um “chamado ao altar” ao seu público, pedindo àqueles que querem ser salvos para irem à frente fazer uma declaração pública de sua fé. 

No entanto, se fizermos da confissão da fé em Cristo perante os homens uma condição de sua salvação eterna, então a bênção do evangelho não seria unicamente no princípio da fé, mas teria como base a fé e as obras! E isso é contrário aos fundamentos do evangelho (Rm 3:26-31, 4:4-5; Ef 2:8-9). Além disso, significaria que uma pessoa não poderia ser salva se estivesse sozinha em algum lugar deserto – porque não teria ninguém para quem confessar! De acordo com essa ideia, poderia haver “arrependimento para com Deus e a fé em nosso Senhor Jesus” (At 20:21 – TB), mas não seria suficiente! Há uma condição adicional – deveria haver confissão de fé a alguém. Mas e se ela morresse antes de ter uma chance de dizer a alguém de sua fé em Cristo? De acordo com esse ensinamento, estaria perdida! Não é necessário dizer que essa ideia equivocada não está de acordo com a Escritura.

“Confessar” em Romanos 10:9 significa “concordar” (Concordância de Strong) ou “expressar acordo” (“homologeo” em grego). A questão é: expressar concordância com quem? A. Roach disse que, à luz de Filipenses 2:11, “toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai” e de Romanos 14:11 “toda a língua confessará a Deus”, é claro que essa confissão deve ser feita a Deus, não aos homens. O crente reconhece diante de Deus que “Jesus Cristo é o Senhor”. H. A. Ironside disse: “A confissão aqui não é, naturalmente, a mesma quando nosso Senhor diz: ‘Portanto, qualquer que Me confessar diante dos homens, Eu o confessarei diante de Meu Pai, que está nos céus’. Essa é antes a confissão da alma ao próprio Deus que ele recebe Jesus como Senhor” (Lectures on Romans, págs. 130-131).

Paulo menciona a “boca” antes de o “coração” (que é a ordem encontrada em Deuteronômio 30:14), mas em Romanos 10:10, ele inverte essa ordem, dando a verdadeira ordem que ocorre quando uma pessoa é salva. Assim, a recepção interna da Palavra por fé resulta em uma expressão externa da fé de alguém na confissão de que “Jesus Cristo é o Senhor”.

Em condições normais, um crente verdadeiro fará uma confissão de sua fé em Cristo diante daqueles de seu convívio. Isso deve acontecer de forma bastante natural, pois as boas novas da salvação são muito boas para que sejam guardadas apenas para nós mesmos. Confissão de nossa fé diante dos homens é bom, e se um crente não confessar Cristo diante dos homens, lhe serão negadas uma recompensa e uma menção honrosa perante o Pai no dia vindouro (Mt 10:32-33) – mas essa não é uma condição pela qual ele é salvo eternamente. Um novo crente pode hesitar em confessar Cristo no início, mas seu bem-estar eterno não depende disso. Paulo ensinou que a bênção da salvação é unicamente sob “o princípio da fé” (Rm 1:17, 3:30, 4:16, 5:1 – todos da JND). Ele estaria contradizendo-se em Romanos 10:9, se estabelecesse a condição de confissão diante dos homens como base da salvação de uma pessoa. — extraído de "Definições Doutrinais" de Bruce Anstey.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

     
 



Como "abrir" uma assembleia congregada ao nome do Senhor?

Você escreveu querendo saber como "abrir" uma reunião de irmãos congregados somente ao nome do Senhor, e como a Palavra deve ser ministrada nas reuniões. Considerando que você parece ter abandonado o sistema religioso denominacional sugiro que abandone também alguns conceitos que são praticados ali, como a ideia de abir igrejas.

Ninguém "abre" uma reunião de irmãos congregados ao nome do Senhor do mesmo jeito como alguns abrem lojas ou igrejas. Não existe fundamento bíblico para a criação de igrejas independentes. Entenda "Igreja" como o corpo de Cristo do qual fazem parte todos os salvos, e "igrejas" as manifestações locais desse mesmo corpo e não corpos independentes.

Do mesmo modo com existe o Exército Brasileiro e os quartéis, existe a Igreja e as reuniões dos congregados ao nome do Senhor. Mesmo que nos quartéis, quero dizer, nas assembleias locais existam apenas dois ou três reunidos pelo Espírito ao único Nome que nos foi dado, essa reunião expressa na prática a verdade da Igreja como um todo.

Esta verdade e o que fazer ao entender a ruína que se abateu sobre a cristandade e o testemunho cristão na terra você encontra em muitos lugares da Bíblia. Mas na segunda carta de Paulo a Timóteo, que é uma carta pessoal e com uma mensagem dirigida também a indivíduos hoje, você encontra especificamente os passos que devem dar aqueles que foram despertados para a verdade do "um só corpo": Apartar-se da má doutrina, apartar-se dos "vasos" (pessoas) contaminadas com essas más doutrinas e "seguir" com aqueles que um dia tiveram o mesmo exercício de separação e posterior reunião.

O primeiro passo está neste versículo: "Entretanto, o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O SENHOR CONHECE OS QUE LHE PERTENCEM" (2 Tm 2:19a). Isto é o que eu disse de a Igreja ser o corpo de Cristo formado por TODOS os salvos, mesmo os que não estejam congregados ao nome do Senhor somente. O Senhor, e só ele, é quem conhece quais são os seus e de maneira nenhuma devemos desconsiderar alguém só por não seguir conosco.

A instrução continua, agora mostrando o que deve fazer quem percebeu que existe erro ou injustiça onde está. O contexto na carta era de alguns que estavam ensinando falsa doutrina, e toda falsa doutrina é injustiça ou iniquidade que perverte a fé: "E a palavra desses roerá como gangrena; entre os quais são Himeneu e Fileto; os quais se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição era já feita, e perverteram a fé de alguns... E mais: APARTE-SE DA INJUSTIÇA [ou iniquidade] todo aquele que professa o nome do Senhor." (2 Tm 2:17-19b).

Em seguida Paulo fala de como a "casa de Deus", que é a esfera visível da profissão cristã que inclui falsos e verdadeiros, tinha passado de "casa de Deus" de 1 Timóteo para a "grande casa" de 2 Timóteo: "Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade." (1 Tm 3:15).

Então ele fala dos benefícios de se apartar da iniquidade e de tudo que for contrário à verdade, principalmente em termos doutrinários que é o assunto aqui: Será não só vaso ou utensílio para honra, mas também preparado para TODA BOA OBRA e não apenas para alguma. "Ora, numa grande casa não há somente utensílios de ouro e de prata; há também de madeira e de barro. Alguns, para honra; outros, porém, para desonra." (2 Tm 2:20).

Dou um exemplo: você pode ter uma panela velha e suja para usar sempre que precisar de um recipiente, como para trocar o óleo do motor do carro ou encher de terra e usar como vaso de plantas. Mas não irá usá-la para fazer comida. Para isso você tem um utensílio igual, porém limpo, para tarefas mais nobres. Na prática isto se traduz assim: Já vi gente se converter porque ouviu o evangelho de alguém fora dos sistemas humanos e denominações, pois era avesso aos sistemas e denominações que os homens criaram. Alguém de dentro desses sistemas teria mais dificuldade de ser usado para uma obra assim, pois talvez fosse rejeitado só por estar associado a uma religião.

Você não odiaria o fato de alguém não lhe dar ouvidos para escutar a verdade só pelo fato de você estar associado a algo que nem tem fundamento bíblico, como uma denominação? Uma jovem presbiteriana uma vez se justificou dizendo que quando falava do evangelho para alguém nunca mencionava a Igreja Presbiteriana, pois podia ser de a pessoa ter algo contra essa igreja e não querer ouvir a mensagem. Perguntei a ela: "Você acha correto você ter algo que precisa esconder das pessoas porque pode ser um empecilho para a conversão de alguém?". Tendo isto em vista, medite neste versículo: "Assim, pois, se alguém a si mesmo se purificar destes erros, será utensílio para honra, santificado e útil ao seu possuidor, estando preparado para TODA boa obra [não somente para alguma boa obra]." (2 Tm 2:21).

Agora a resposta para sua pergunta está aqui. Depois de ter tido o exercício de se apartar você não irá "abrir uma igreja" ou algo assim, mas seguir com os que um dia já se purificaram desses erros e agora invocam o Senhor livre das más doutrinas impostas pelos sistemas religiosos. É o que vem a seguir: "Foge, outrossim, das paixões da mocidade. Segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor." (2 Tm 2:22).

Resumindo: Primeiro você detecta a má doutrina onde está, depois se aparta, porém reconhecendo que mesmo ali onde estava pode ter ficado irmãos genuínos, pois é o Senhor quem conhece os que são seus. Aí vem o exercício de se separar dos vasos (pessoas) que possam lhe influenciar no sentido de retornar ao erro, por estarem sendo utensílios de desonra ao insistirem que você deve adorar em um templo de pedras e tijolos, seguir um pastor, praticar a Lei de Moisés etc., mesmo que sejam crentes genuínos. Aí vem o passo seguinte, que não é ficar sozinho, mas buscar em oração aqueles que já se apartaram e tiveram o exercício de purificar seus corações desses erros e agora invocam o Senhor com um compromisso de justiça, fé, amor e paz.

Neste ponto você me perguntará: "E onde estão esses?". A partir daqui já não sou eu quem deve lhe dar a resposta, mas o Espírito Santo de Deus, portanto ore ao Pai pedindo luz a este respeito.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

     
 



O diabo e Satanás seriam nosso próprio ego?

Você perguntou se o diabo e Satanás seriam nosso próprio ego. E como solução você acha que se cada um de nós nos livrarmos dos sentimentos ruins a figura do diabo desapareceria. Não, seu pensamento não tem fundamento bíblico.

A ideia de que o diabo ou Satanás não existe tem sido pregada por alguns hereges e falsos profetas do YouTube. Não caia na conversa desses que negam a existência de Satanás, de uma condenação eterna, da Trindade, da prática do batismo e da ceia do Senhor e tantas outras verdades das Escrituras. Os apóstolos avisaram que viriam esses que iriam atrair discípulos por meio da perversão da sã doutrina. "E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles." (At 20:30).

Vou responder com outra pergunta: Você crê que Jesus é o Filho de Deus que se tornou Homem ao vir ao mundo? Você crê que ele era, é sempre será sem pecado, porque em Deus não há trevas nenhumas? Você acredita que seria impossível o próprio Senhor e Deus pecar? Você acredita que Jesus, na sua humanidade, tinha uma natureza santa, ao contrário de Adão e seus descendentes, pois seu corpo humano foi gerado no ventre de Maria virgem, pela ação misteriosa e miraculosa do Espírito Santo e não de uma relação entre ela e seu esposo José?

Bem, se você crê em tudo isso a questão é: Quando Jesus foi tentado no deserto, quem estava falando com ele? Seu próprio ego ou um ser espiritual e maligno descrito na Bíblia como sendo o diabo ou Satanás? Se você concordou com tudo que escrevi antes então não teria como o ego de Jesus querer tentá-lo, porque nada havia nele capaz de cogitar pecado.

Leia também os dois primeiros capítulos do livro de Jó e tente aplicar a ideia do ego ao encontro que Satanás tem com o Senhor para conversar sobre Jó. Estaria ali o Senhor sendo enganado pelo seu próprio ego para participar daquele diálogo (me sinto mal até de cogitar tal absurdo)? E tem mais: como você explicaria o fato de sermos exortados a batalhar contra Satanás e seus anjos, não dentro de nós mesmos, em nosso ego que faz parte de nossa carne, mas nos lugares celestiais?

"Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais." (Ef 6:11-12).

Então volto a repetir: Fuja desses pregadores do Youtube que dizem essas coisas. Não dê ibope a eles porque eles ganham cada vez que você assiste um vídeo e compartilha suas mentiras.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

     
 



O que significa ser morno em Apocalipse 3?

Mornidão é o estado que a cristandade atingiu vivendo neste mundo. Quando entendemos que a carta à igreja de Laodiceia é profética e expressa o último estágio do testemunho cristão na terra, percebemos que muito do que ela diz cai como uma luva para a cristandade atual. O versículo é este:


"Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu." (Ap 3:15-17).

Pessoas "mornas" são pessoas sem opinião formada, são com "meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente." (Ef 4:14). São um alvo perfeito para uma admoestação como a que Elias fez aos filhos de Israel no passado: "Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o, e se Baal, segui-o. Porém o povo nada lhe respondeu." (1 Rs 18:21). Por que o povo não respondeu? Porque não tinha uma opinião, viviam na mornidão de agir conforme a direção do vento.

O ecumenismo é o supra sumo da mornidão, porque evita os extremos para agradar a todos. O ecumenismo tenta juntar as religiões de diferentes cores em uma massa só. Se você brincou de massinhas coloridas quando criança sabe que depois de um tempo, de tanto misturar as cores, você termina com uma bola cinza e feia. Essa massa genérica é o a massa ecumênica, pois ela tenta encontrar pontos de acordo com base no mínimo denominador comum.

Por exemplo, um crê que Jesus é Deus, outro não crê assim. Então deixam de lado este ponto de conflito e passam a se concentrar em algo que seja opinião constante nas duas religiões, tipo "amar o próximo". Pronto! Encontrado aquilo que lhes é comum basta descartar o resto como sementes de discórdia.

Mas quem não é morno não é passivo em relação às verdades da Palavra de Deus, mas se agarra a elas, principalmente as que tem a ver com a Pessoa divina de Cristo. O morno não tem afeição alguma por Cristo, mas o crente genuíno tem verdadeira paixão por seu Senhor e quando alguém coloca em dúvida algum de seus atributos fica indignado e não se importa nem um pouco em perder a amizade em prol da verdade. Porque o ecumenismo busca a amizade pelo sacrifício da verdade.

Alguém morno é como um morto, não tem sentimentos nem sensações, apenas se deixa levar. Teve sua mente cauterizada, que é o mesmo que dizer que está anestesiado contra qualquer tipo de paixão na defesa da Verdade. Um casamento morno se acaba porque desaparece a paixão e tudo cai na mornidão. Não estou falando aqui da paixão carnal de cunho sexual, porque a própria idade dá cabo de muitas das sensações do corpo, mas daquela paixão que faz os olhos brilharem só de contemplarem a pessoa amada ou escutarem seu nome. O verdadeiro cristão é assim, apaixonado por Cristo.

Compare a forma como o Senhor se apresenta a Laodiceia e veja seus atributos que hoje são negados por boa parte da cristandade: "E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus" (Ap 3:14). Você irá entender melhor esta expressão do Senhor se souber que o nome "Laodiceia" significa.

Originalmente chamada de Dióspole ou Diospolis e Roa ou Rhoas, foi chamada de Laodiceia em homenagem a Laódice, esposa de Antíoco II Teos, que reconstruiu a cidade. Seu significado gira em torno de expressões como "lugar de pessoas de justiça comum", ou seja, que concordam em termo do que seja justo, portanto pessoas de comum acordo, independente de este ser verdade ou mentira.

O século 19 foi quando nasceu o espírito de Laodiceia que se espalhou pela cristandade, e tem tudo a ver com as grandes descobertas científicas e com a invasão da cristandade por filosofias orientais e reencarnacionistas, andando em par e passo com o evolucionismo de Darwin e outros. Se até então os que se denominavam cristãos defendiam com paixão que o Senhor é o Criador de todas as coisas, a falsamente chamada ciência inseminou dúvidas introduzindo teorias de uma criação acidental e de uma suposta evolução da vida.

Isto é o que hoje muitos que se dizem cristãos professam, porque seria um disparate, na opinião deles, duvidar da ciência. Mas de que ciência estamos falando? Daquela que aprendi no ginásio quando a Tabela Periódica era bem menor que a atual? Ou da talidomida, uma droga considerada segura pela ciência para eliminar o enjoo das jovens mamães e no final acabou eliminando membros dos bebês de toda uma geração? Diante disso gosto de lembrar a frase "A ciência caminha de funeral em funeral", porque o que ontem era ciência hoje não é mais.

Na sua declaração o Senhor reafirma quem ele é, ou seja, "o Amém", aquele que tem a palavra final, tirando do ego laodicense a ideia de que seja a justiça que eles tem em comum aquela que realmente prevalecerá. O Senhor também se declara a "testemunha fiel e verdadeira", solapando assim a confiança no testemunho dos homens, e inclua-se aí toda a filosofia e ciência humana que se arvora ser a última bolacha do pacote.

Ora, adotando o pensamento evolucionista, não faria sentido acreditar na ciência que é tida como absoluta neste momento usando para isso de um cérebro que ainda teria supostamente bilhões de anos de evolução para percorrer. Mas a frase do Senhor termina ainda com uma afirmação que abala qualquer teoria evolucionista ou tentativa de destronar o Gênesis e outras afirmações sobre a Criação que encontramos na Palavra de Deus. Afinal, ele diz ser, como realmente é, "o princípio da Criação de Deus".

Isso de maneira nenhuma significa que ele teria sido o primeiro ser criado, porque em João 1 vemos que ele próprio criou todas as coisas e não poderia assim ter criado a si mesmo. "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez." (Jo 1:1-3). 

Porém em uma era de crença cega no método científico não é de se espantar que a grande maioria dos que se dizem cristãos prefiram a segurança de acreditar que o Gênesis é história de criança, porque esta é a opinião da ciência, do que se passar por crente bitolado e atrasado. Me solidarizo com jovens cristãos que fazem afirmação de sua fé nas escolas, mesmo cercados de desdém e zombaria por crerem em um Deus criador e em Cristo o Salvador. A turma do "Maria-vai-com-as-outras" irá sempre achar mais seguro para a reputação seguir a onda, como Paulo descreve o modo de vida dos efésios antes de sua conversão:

"Noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos." (Ef 2:2-3).

Quer saber se você é participante da mornidão que assolou a cristandade? Se estiver andando do jeito que o mundo gosta estará andando também do jeito que o diabo gosta, e é neste engano que mergulhou a cristandade.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

     
 


Seria o presidente um falso profeta?

 


https://youtu.be/Y_rzo13NKMo

Você escreveu dizendo que é bolsonarista, porém de uns dias para cá está em dúvida se poderíamos afirmar pela Bíblia que ele seria um falso profeta. Você não deve pensar assim. Falsos profetas estavam relacionados a Israel e a fazerem profecias, ou seja, falarem como se fosse da parte de Deus quando não tinham autorização para isso. Nestes tempos da Igreja o termo mais adequado para alguém seria "falso mestre", mas isto nada tem a ver com um político e sim com alguém que ensina má doutrina aos cristãos. O presidente não é nem uma coisa nem outra, ele é apenas mais um político sendo político, nada mais.

Sua gritante falta de habilidade para a diplomacia e comunicação ajudam a criar uma marca de um ditador, mas ninguém dita nada se não estiver amparado pela Constituição, e neste sentido não me parece que esteja "profetizando" falsamente, por assim dizer. Ao cristão não compete criticá-lo como autoridade, mas submeter-se a ele como também às demais autoridades que Deus colocou sobre nós, desde o presidente até o bedel da escola que toca o sinal e você obedece e entra ou sai da sala de aula.

O erro está em cristãos se envolverem em política, tomarem partido contra ou a favor, e colocarem suas esperanças em um homem achando que ele irá resolver todos os problemas, o que fatalmente acabará em decepção quando o líder da nação trocar os pés pelas mãos. Para o cristão, envolver-se na política ou mesmo na oposição aos ditames das autoridades é totalmente contrário ao ensino das escrituras, que apenas nos ordenam respeitar e nos submeter às autoridades.

"Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação. Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal. É necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa do temor da punição, mas também por dever de consciência. Por esse motivo, também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo, constantemente, a este serviço." (Rm 13:1-6).

Antes que você me pergunte — e certamente alguém irá perguntar —, a obediência às autoridades é até onde elas não exigirem que você faça algo contrário à Palavra de Deus. Então, se a autoridade disser para você sair por aí invadindo propriedades, incendiando lojas e espancando quem se opuser ao regime, você se negará a fazer isso pois estará indo contra ao modo de andar de um cristão que é ordenado por Deus. Se as autoridades disserem que você não deve pregar o evangelho, como fazem governos islâmicos, budistas, socialistas e comunistas em alguns países, então mais uma vez você estará livre da obediência, pois recebeu uma ordem de uma autoridade mais elevada, que é o próprio Senhor, para evangelizar e ensinar a Palavra.

"Conjuro-te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino, que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério." (2 Tm 4:1).

"E, trazendo-os, os apresentaram ao conselho. E o sumo sacerdote os interrogou, dizendo: Não vos admoestamos nós expressamente que não ensinásseis nesse nome? E eis que enchestes Jerusalém dessa vossa doutrina e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem. Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens." (At 5:27-29).

Também nos é dito para orarmos pelas autoridades, independente de que partido sejam e nem a ideologia que professem, para que não só tenham sabedoria no governar, mas principalmente para que se convertam a Cristo e sejam salvas.

"Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito. Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade." (1 Tm 2:1-4).

Portanto não cabe ao cristão se envolver com assuntos deste sistema que vão além de orar pelas autoridades e crer que as que estão no poder foram colocadas ali pelo mesmo Deus que inspirou Daniel a escrever:

"Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque dele é a sabedoria e a força; ele muda os tempos e as horas; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e ciência aos inteligentes. Ele revela o profundo e o escondido e conhece o que está em trevas; e com ele mora a luz." (Dn 2:20-22).

Você viu os discípulos e apóstolos se intrometerem no corrupto governo judaico e romano que dominavam local e globalmente? Nunca. Antes que fale de João Batista, entenda que ele fazia parte do judaísmo, não do cristianismo e nem da era da Igreja que é algo diferente de Israel. Israel era um povo vivendo numa teocracia e com promessas na terra. Fazia todo sentido João Batista cobrar de seu governante mais direto, Herodes, para que desse o exemplo segundo o que ensinava a Lei e não se envolvesse em adultério. João foi preso e decapitado por essa intromissão no governo.

Porém a Igreja não tem o mesmo papel que tinha um judeu para com seu governante dentro do judaísmo. A Igreja também não desfruta de qualquer promessa de bênção e prosperidade aqui, como os judeus tinham, herdar um reino terrestre, não celestial. À Igreja foram prometidas bênçãos espirituais, mas no que tange à terra as promessas são apenas de tribulações e dificuldades, porque a Igreja é estrangeira e a cidadania do cristão é celestial. Lembre-se de que ao nascer de novo você recebeu uma nova certidão de nascimento onde não consta "brasileiro", mas "celestial" no campo cidadania.

Quer entender sua posição? Procure se imaginar como um turista que estava no aeroporto esperando embarcar de volta para casa quando foi surpreendido com a notícia de que todos os voos foram cancelados. Você é um expatriado que terá de morar no aeroporto por um tempo ainda indeterminado até tudo voltar a funcionar e um voo levá-la de volta para sua pátria. Enquanto isso é melhor encontrar um canto para esticar as pernas, tentar viver só de pão de queijo e água, enquanto ora pelas autoridades do país onde está vivendo provisoriamente para que não decidam prendê-la por algum motivo qualquer ou por querer se intrometer na política e nos assuntos daquele país que não é o seu. Cabe aqui a anedota que gosto de contar para ilustrar isso.

O sujeito vinha de Niterói para o Rio na barca de passageiros quando alguém chegou desesperado, o agarrou pelos braços e gritou: "ANTONIO! SUA MULHER ESTÁ MORRENDO NO PARTO EM NITERÓI E PRECISA DE SUA AJUDA!". O rapaz nem pensou duas vezes, tirou camisa, calças e sapatos e mergulhou no mar para voltar a Niterói nadando. Depois de dez braçadas parou e disse para si mesmo: "Êpa! Eu não me chamo Antonio, não sou casado e nem moro em Niterói! O que estou fazendo aqui?!".

Portanto se agora, depois de todo o seu empenho em participar de manifestações, ajudar a derrotar o socialismo dos governos anteriores, e desejar um presidente perfeito, você está sentindo sua mão doer é porque a colocou no fogo por um ser humano como outro qualquer. Você a queimou por ter apostado todas as suas fichas num homem. Onde na Bíblia você encontra qualquer amparo para acreditar que um político possa resolver todos os problemas de seu país ou do mundo?

O único que está previsto para ocupar um posto de governo com grandes promessas até de fazer sinais extraordinários é o anticristo, mas quando ele for revelado a Igreja não estará mais na terra. Ele sim será aclamado universalmente e se fará passar, não só pelo Messias prometido a Israel, mas irá se sentar no trono de Deus querendo parecer o próprio Deus.

"Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus. Não vos lembrais de que estas coisas vos dizia quando ainda estava convosco? E, agora, vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que, agora, resiste até que do meio seja tirado; e, então, será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; a esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais, e prodígios de mentira, e com todo engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E, por isso, Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira, para que sejam julgados todos os que não creram a verdade; antes, tiveram prazer na iniquidade." (2 Ts 2:3-12).

O espírito do anticristo, este sim já está na terra, e este é a disposição da grande maioria que se recusa a reconhecer que Jesus é o Filho eterno, Deus e homem. Não se iluda por alguns se intitularem cristãos, porque ser cristão em um país como o nosso dá até mais votos. Ou você nunca viu político ateu indo a missas e cultos evangélicos em tempos de eleição? Por isso eles deixam em paz até os notórios crápulas do mundo religioso, que vivem de enganar o povo e tirar seu dinheiro, pois quanto mais seguidores tiverem maior o número de votos que um candidato consegue se for amigo deles. É sempre mais fácil convencer um eleitor que tem poder de influenciar uma multidão, do que sair convencendo um a um.

Quanto à sua decepção, por ter colocado suas esperanças em um homem, espero que tenha aprendido a lição e saiba que não existe conserto para este mundo que expulsou daqui o Senhor, pregando-o numa cruz. Nem adianta colar um adesivo no vidro de seu carro dizendo que "Feliz a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo que ele escolheu para sua herança." (Sl 33:12) porque essa nação é Israel e esse povo também é o povo de Israel, cuja herança é na terra, e não a Igreja com herança e aspirações celestiais.

"Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor! Porque será como a tamargueira no deserto, e não verá quando vem o bem; antes morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável. Bendito o homem que confia no Senhor, e cuja confiança é o Senhor. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto." (Jr 17:5-8).

Siga este link para saber mais e se manter santificada, que significa separada, dos movimentos dos homens neste mundo.
https://leituracrista.com/indice/?query=pol%C3%ADtica

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
     
 


More Recent Articles


You Might Like

Safely Unsubscribe ArchivesPreferencesContactSubscribePrivacy