Você enviou o link de um vídeo no qual o autor católico me chama de falso profeta, desonesto, imbecil, mau caráter, idiota, analfabeto etc., e tudo isso por eu esclarecer dúvidas de católicos que me escrevem, além de eu apontar na Palavra de Deus ...

Your email updates, powered by FeedBlitz

 
Here are the FeedBlitz email updates for you. Click here to start your FREE subscription



Você vai denunciar este video? and more...

Você vai denunciar este video?

Você enviou o link de um vídeo no qual o autor católico me chama de falso profeta, desonesto, imbecil, mau caráter, idiota, analfabeto etc., e tudo isso por eu esclarecer dúvidas de católicos que me escrevem, além de eu apontar na Palavra de Deus que somos salvos pela fé em Cristo e não perdemos jamais a salvação, por ter o crente sido escolhido antes da fundação do mundo.

A questão principal é esta: Ele falou mal do Senhor Jesus? Não? Então não tenho com quê me preocupar. Rogo a Deus para que possa convertê-lo e levá-lo a buscar a salvação, não em uma igreja ou organização religiosa como tem feito até hoje, mas na própria Pessoa de Cristo. Aparentemente ele precisa ler um pouco mais a Palavra de Deus, ao invés de confiar tanto na palavra e tradição de homens e em seus textos, os quais ele coloca acima da Bíblia em autoridade. De fato é assim mesmo que a Igreja Católica Romana ensina, ao dizer que a Bíblia "apenas" não é suficiente para conhecermos a verdade sem a interpretação dos "santos padres".

O modo agressivo e ofensivo de falar desse que tão veementemente defende sua instituição religiosa já o condena. O que ele tenta defender não é "a fé que uma vez foi dada aos santos" (Jd 1:3), mas a instituição da qual é escravo e que derramou o sangue de milhões de mártires ao longo da história, além de ter vedado o acesso à Bíblia às pessoas comuns. Isto foi causa de condenação e morte para muitos durante a Inquisição, quando aqueles que possuíam cópias não autorizadas das Escrituras eram queimados vivos com seus manuscritos atados ao pescoço Por isso, no mesmo espírito dos que pegavam na espada para matar os infiéis que insistiam em ocupar Jerusalém nos tempos das Cruzadas, esse católico usa de palavras para atacar pessoas, não apenas ideias.

Um cristão genuíno deve ter sempre em mente que sua luta não é contra seres humanos, "contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais." (Ef 6:12). Mas ao longo dos séculos o catolicismo romano não entendeu isso e perseguiu, torturou e matou muitos que não concordavam com suas doutrinas. As Cruzadas e a Inquisição fazem parte dos livros de história e não podem ser ocultadas.

O que os extremistas islâmicos fazem hoje contra os que consideram infiéis é coisa de amadores comparado à história de sangue e terror do catolicismo romano. Um dos mais famosos e cruéis inquisidores atuou na Espanha e era um monge chamado Tomás de Torquemada. Você pode pesquisar os muitos livros existentes sobre a Inquisição espanhola e seus métodos de perseguição, tortura e abate de judeus, muçulmanos e até mesmo cristãos que faziam tráfico de manuscritos das Escrituras.

O apóstolo Pedro indicou que perseguições aconteceriam e também qual seria o modo como deveríamos reagir aos ataques:

"Se padecerdes por amor da justiça, sois bem-aventurados. E não temais com medo deles, nem vos turbeis; antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós, tendo uma boa consciência, para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, fiquem confundidos os que blasfemam do vosso bom porte em Cristo. Porque melhor é que padeçais fazendo bem (se a vontade de Deus assim o quer), do que fazendo mal. Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito." (1 Pe 3:14-18).

O autor do vídeo não é capaz de debater ideias e doutrinas sem baixar o nível para ofensas pessoais, algo típico dos que defendem um sistema religioso e não a fé em Cristo. No passado os considerados "falsos profetas" ou "hereges" acabavam nas masmorras do Santo Ofício, cujas máquinas de tortura podem ser vistas hoje em museus, mas nestes tempos modernos só resta atacar a honra das pessoas, como é o caso do autor desse vídeo.

Mas o protestantismo também tem sua história de guerras, perseguições, torturas e mortes, e hoje alguns protestantes também são incapazes de debater ideias e partem para ofensas pessoais. Alguns já fizeram isso comigo por terem ficado irados de eu contestar as doutrinas de suas "igrejas". Este católico até que foi em parte coerente, apesar de equivocado, ao defender que não crê unicamente na Bíblia, na salvação pela fé e na segurança eterna do crente, que são coisas que creio e encontro claramente na Palavra de Deus..

Canais e vídeos como o deste católico têm se multiplicado e até acho bom, porque uma crítica ferina e ofensiva como esta é logo detectada pelos sinceros em busca da verdade, que percebem um certo desespero naquele que ataca. Além disso seu canal acaba criando curiosidade e fazendo propaganda. Um ateu que assistiu um vídeo de outro ateu recheado de ofensas pessoais ficou tão curioso de saber quem era esse tal de "Mario Persona" que visitou meu canal, ouviu o evangelho, e me escreveu contando que tinha se convertido a Cristo.

O vídeo que você indicou, apesar de todas as ofensas pessoais, acaba promovendo alguns de meus vídeos, justamente aqueles que falam da salvação pela fé em Cristo somente e da certeza da salvação eterna, coisas nas quais aquele autor não acredita. Os links que ele colocou na descrição de seu canal levam para meus vídeos "O que preciso fazer para ser salvo?" e "Paulo não tinha certeza da salvação?", e acho isso ótimo. Rogo a Deus que esses links acabem levando muitos a conhecer a Cristo, como aconteceu com aquele ex-ateu e quiçá aconteça também com o autor desse vídeo ofensivo.

Quanto às ofensas pessoais, não me importo, e seria capaz de até acrescentar mais algumas maldades minhas, pois conheço melhor do que ele meu próprio coração. Ele não conhece metade da malignidade que existe em minha carne. Algo que aprendi na Palavra foi o que Deus precisou ensinar a Moisés, quando o enviou para libertar os filhos de Israel. Deus mostrou o que havia em seu próprio peito: lepra, que é figura de pecado. Dos dois sinais que Deus deu a Moisés para fazer na presença de faraó — ter sua vara transformada em serpente e enfiar a mão no peito e ela sair leprosa — ele fez apenas um, pois o outro revelava o que havia em suas entranhas.

"E o Senhor disse-lhe: Que é isso na tua mão? E ele disse: Uma vara. E ele disse: Lança-a na terra. Ele a lançou na terra, e tornou-se em cobra; e Moisés fugia dela. Então disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão e pega-lhe pela cauda. E estendeu sua mão, e pegou-lhe pela cauda, e tornou-se em vara na sua mão; para que creiam que te apareceu o Senhor Deus de seus pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. E disse-lhe mais o Senhor : Põe agora a tua mão no teu seio. E, tirando-a, eis que a sua mão estava leprosa, branca como a neve. E disse: Torna a por a tua mão no teu seio. E tornou a colocar sua mão no seu seio; depois tirou-a do seu seio, e eis que se tornara como a sua carne. E acontecerá que, se eles não te crerem, nem ouvirem a voz do primeiro sinal, crerão à voz do derradeiro sinal." (Êx 4:2-8).

Portanto, volto a dizer que é bom que surjam pessoas assim fazendo vídeos com críticas tão ferinas e ofensas pessoais, pois sem saber estão sendo instrumentos de Deus para levar pessoas a Cristo, se não diretamente, ao menos criando curiosidade e vontade de saber mais sobre quem eles atacam de forma tão raivosa. Como aconteceu com aquele ex-ateu que encontrou o Salvador em Cristo Jesus e agora se regozija em sua segurança eterna.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

     
 



Seria Jeova Deus-Pai no Antigo Testamento?

Você escreveu dizendo que viu uma resposta que dei dizendo que Jeová ou Senhor dos Exércitos no Antigo Testamento teria sido Jesus, e perguntou quem seria Deus-Pai ali, e se não teria sido ele quem se manifestou aos hebreus.

No Antigo Testamento os israelitas não tiveram um relacionamento com o Pai e há poucas citações que falem de Deus como Pai, mas sempre no sentido de Criador e Cuidador, não no sentido do parentesco revelado por Jesus nos evangelhos. Os judeus consideravam digno de morte quem chamasse a Deus de Pai, como consideram também hoje os muçulmanos, que se basearam no Antigo Testamento. A revelação de Deus Pai é um privilégio da Igreja. Bruce Anstey, em seu livro "Definições Doutrinais, comenta:

A posse da vida eterna, em seu sentido Cristão, envolve quatro coisas:

1) CONHECER A DEUS COMO PAI (Jo 17:3). Isso exigiu a vinda de Cristo ao mundo para revelar o Pai (Jo 1:18, 14:6-11). J. N. Darby disse: "A revelação do nome do Pai traz consigo a vida eterna" (Notes and Jottings, pág. 102). H. Nunnerley disse: "A vida eterna é uma vida de comunhão, de participação nas relações divinas, um conhecimento prático do Pai e do Seu Enviado" (Scripture Truth, vol. 1, pág. 197). ("Pai" é usado algumas vezes no Velho Testamento em referência a Deus, mas está indicando Seu cuidado para com Seu povo como um pai guia e cuida de sua família, não é usado como um nome de Deus revelando Sua Pessoa como tal, como é revelado no Novo Testamento. Alguns exemplos são: Is 63:16, 64:8; Jr 3:4)

2) CRER EM CRISTO O FILHO DE DEUS (Jo 3:16, 36, 5:24, 6:47; Rm 6:23, etc.).

3) CONHECER A OBRA CONSUMADA DE CRISTO NA CRUZ (Jo 3:14-15).

4) SER HABITADO PELO ESPÍRITO SANTO (Jo 4:14), que traz o crente em um relacionamento com o Pai e com o Filho. F. G. Patterson disse: "Nós temos a vida eterna em Cristo – Cristo vive em nós, e esta vida eterna nos leva à comunhão com o Pai e o Filho, o que não poderia acontecer até que o Pai fosse revelado n’Ele e o Espírito Santo ser dado, pelo Qual nós a apreciamos" (Words of Truth, vol. 3, pág. 178). A. C. Brown disse: "A vida eterna refere-se à vida de Deus desfrutada em comunhão com o Pai e o Filho por meio do Espírito Santo que habita em nós" (Eternal Life, pág. 4).

Assim, enquanto os santos do Antigo Testamento eram sem dúvida nascidos de novo (e assim tinham a vida divina), eles não poderiam ter tido vida eterna, simplesmente porque o Senhor Jesus ainda não tinha vindo para revelar o Pai, nem tinha sido revelado como o Filho de Deus, nem tinha consumado a redenção, nem havia subido ao alto para enviar o Espírito Santo. H. M. Hooke disse: "Fiquei muito impressionado ao examinar as Escrituras do Antigo Testamento e não encontrar uma única passagem mencionando um santo do Antigo Testamento que tivesse a vida eterna; ela não era conhecida" (The Christian Friend, vol. 12 [1885], pág. 230).

Perguntaram a J. N. Darby: "Não tinham, os santos do Antigo Testamento, vida eterna?". Ele respondeu "Com relação aos santos do Antigo Testamento, a vida eterna não fazia parte da revelação do Antigo Testamento, mesmo supondo ainda que os santos do Antigo Testamento a tiveram" (Notes and Jottings, pág. 351) Ele também disse: "O conhecimento de Deus, mesmo do Pai e do Filho, o Espírito de filiação, a consciência de estar em Cristo e Cristo em nós, a comunhão com o Pai e o Filho, nada disto os santos do Antigo Testamento possuíam" (Collected Writings, vol. 10, pág. 26). F. G. Patterson disse: "Não se pode dizer que eles [os santos do Antigo Testamento] tiveram vida eterna. Ela só foi trazida à luz por meio do evangelho (2 Tm 1:10; Tt 1:2, etc.)" (Scriptures Notes and Queries, pág. 66).

Ensinar que os santos do Antigo Testamento tinham a vida eterna obscurece a distinção entre os dois Testamentos e as bênçãos e privilégios que distinguem a Igreja de Israel. É um erro da Teologia do Pacto, que vê Israel e a Igreja como um só povo com bênçãos iguais. — "Definições Doutrinais", Bruce Anstey.

https://definicoesdoutrinais.blogspot.com/2017/05/vida-eterna.html

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

     
 



O pastor fica entrevistando um demonio. Isso e' correto?

A igreja não se reúne para se ocupar com demônios, a igreja na Bíblia se reúne para se ocupar com Deus, perseverando na doutrina dos apóstolos e na comunhão, e no partir do pão e nas orações. Muito do que se vê por aí é pura armação envolvendo atores contratados, na melhor das hipóteses, ou então poder satânico mesmo, com o qual alguns conscientes ou não acabam se envolvendo. Fuja disso, ocupe-se com Cristo e sua Palavra, não com o que dizem os demônios ou os atores contratados para se fazerem passar por demônios.

Uma vez falando do evangelho ao técnico de som, antes de começar minha palestra em uma grande siderúrgica, ele me contou que tem um primo que trabalha dos EUA também com sonorização de palestras, shows e espetáculos. Seu primo tinha sido contratado pela organização religiosa de um famoso pregador de milagres de lá e foi prepara o equipamento em um grande ginásio de esportes.

Num determinado momento o pregador ordenou que todos fossem embora e ficassem apenas seus assessores, mas esse técnico estava nos bastidores terminando umas ligações e não saiu. Foi aí que ele viu os atores chegando e se posicionando no palco para um ensaio, com cadeiras de rodas, muletas, bengalas, óculos escuros... No ensaio, enquanto ele observava por uma fresta nas cortinas, o pregador instruía cada um como devia agir na hora em que seu "demônio" fosse expulso, sua "doença" curada etc.

Uma vez peguei um táxi no aeroporto de Fortaleza, e quando dei um folheto ao motorista e puxei conversa sobre o evangelho, ele contou de um passageiro que pegou ali uns dias antes. O homem desembarcou bem vestido e seguiu para um hotel da cidade, marcando com o motorista para pegá-lo ali à noite. Quando o taxista chegou o homem que saiu do hotel era o mesmo, porém vestido com roupas velhas e remendadas e trazendo uma muleta debaixo do braço. O endereço era de uma famosa igreja pentecostal, e depois de pagar o táxi, o homem desceu se apoiando nas muletas e arrastando os pés até a porta. Não é difícil adivinhar o que aconteceria lá dentro.

Portanto, não seja você mais um ingênuo para acreditar em tudo o que esses que se dizem pregadores fazem por aí. Um dia eles terão de dar conta do que fizeram e receberão da boca do Senhor seu juízo de condenação. Ou de que você acha que Jesus estava falando quando disse estas palavras?

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade." (Mt 7:21-23).

No evangelho de Marcos temos o caso de um demônio incorporado em um homem na sinagoga, que era o lugar de oração e leitura das Escrituras. Como poderia justamente ali existir alguém possuído por um demônio? Você não deve se surpreender, pois a cristandade é o terreno preferido para Satanás, seus anjos, demônios e ministros agirem. A especialidade de Satanás, dos anjos caídos e dos espíritos malignos é a imitação. Eles são mestres nesta arte e costumam usar seres humanos, influenciados ou incorporados, como explica Paulo:

"Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras." (2 Co 11:13-15).

A cristandade hoje está cheia de “falsos apóstolos, obreiros fraudulentos” e falsos servos fingindo ser “ministros de justiça”. Ingênuo é o que acredita em tudo que se diz “cristão” ou “evangélico”. Quando ainda não existia a Igreja, mas o testemunho de Deus na terra estava com os judeus, encontramos numa sinagoga um demônio que possuía o corpo de um homem. Ele diz a Jesus: “Ah! que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus. E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te, e sai dele. Então o espírito imundo, convulsionando-o, e clamando com grande voz, saiu dele.” (Mc 1:24-26).

O Filho de Deus não iria permitir que o testemunho de demônios interferisse em sua obra e nem iria perder tempo dando a um demônio oportunidade de destilar seu veneno com tantos ouvintes ali naquela sinagoga que deveria estar reunida para aprender das Escrituras, e não da boca de espíritos malignos, como acontece nessas igrejas onde pastores entrevistam demônios.

No livro de Atos uma jovem possessa é vista seguindo os discípulos e proclamando nas ruas: “Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo.” (At 16:17). Um leitor menos atento poderia pensar que ela estava ajudando, mas Paulo discerne aquilo e recusa o testemunho demoníaco, libertando a jovem do espírito maligno que a afligia. Mas, ao contrário dos que se acham empoderados para lidar com coisas assim quando bem entenderem, o apóstolo não libertou a jovem logo de cara, pois o texto diz que "isto fez ela por muitos dias" (At 16:18).

Discernir espíritos, se são o não malignos, é uma das manifestações do Espírito em 1 Coríntios 12:10, e se Paulo levou alguns dias para ter essa manifestação e expulsar o espírito que agia na mulher, Pedro, em Atos 8, logo discerniu que Simão não era um verdadeiro convertido, mas alguém movido pelo engano de Satanás em busca de proveito próprio. Manifestações do Espírito (erroneamente traduzidas como "dons" em 1 Coríntios 12) não são algo que alguém possui permanentemente, mas são manifestações em que o Espírito Santo usa um crente para fazer algo útil. O crente não a tem, é o Espírito que a dá para determinadas tarefas. "Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil." (1 Co 12:7)

O argumento usado pelos inocentes úteis que lotam essas igrejas milagreiras é: “Não julgueis, para que não sejais julgados.” (Mt 7:1). Mas nesta passagem Jesus fala do julgamento de pessoas, de seus corações e intenções, algo caberá a ele fazer no dia do juízo. Enquanto isso somos sim exortados a julgar palavras, doutrinas, pecados e ações, como o próprio Senhor ensinou e depois também os apóstolos. Paulo escreveu, ao dar instruções de como deveria ser a reunião da igreja: "E falem dois ou três profetas, e os outros julguem." (1 Co 14:29). Veja outras passagens em que os crentes são exortados a julgar:

"Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça... Porque que tenho eu em julgar também os que estão de fora? Não julgais vós os que estão dentro? Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai, pois, dentre vós a esse iníquo... Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois, porventura, indignos de julgar as coisas mínimas? Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida? Para vos envergonhar o digo: Não há, pois, entre vós sábios, nem mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos?" (Jo 7:24; 1 Co 5:12-13; 6:2-5).

Para não sermos enganados é preciso estarmos sempre prontos a discernir e julgar se algo é ou não de Deus. Jesus alertou: “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.” (Mt 7:15). Você não poderá praticar esse julgamento e identificar falsos profetas se acreditar em tudo que alguém diz só porque traz um título de "pastor", "missionário", "apóstolo", "teólogo" etc. Títulos qualquer um pode ter, mas nova vida só aqueles a quem Deus dá, e a cristandade está cheia de mortos ocupando os palcos e os microfones. Não sou eu quem diz, mas Jesus dizia o mesmo dos líderes religiosos de sua época:

"Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia... Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! que sois como as sepulturas que não aparecem, e os homens que sobre elas andam não o sabem." (Mt 23:27; Lc 11:44).

Repare que há uma diferença entre "sepulcros" e "sepulturas". Sepulcros são construções elaboradas feitas sobre sepulturas, isto é, quando se deseja que o morto seja conhecido por sua projeção na sociedade. Quanto maior o status do defunto, maior será seu sepulcro. Sepulturas são covas escondidas, sem marcação, sobre as quais a grama cresce e ninguém percebe que estão ali. Falsos pregadores podem tanto ser pessoas que promovem suas obras aos quatro ventos, como também aqueles que praticam suas mentiras em oculto, dissimuladamente, para ninguém perceber.

O crente deve sim julgar as doutrinas e frutos dessa matilha que invadiu a cristandade e ficar longe desses lobos. Paulo aconselha: “Não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as. Porque o que eles fazem em oculto, o só referir é vergonha. Mas todas as coisas, quando reprovadas pela luz, se tornam manifestas; porque tudo que se manifesta é luz. Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará. Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus. Por esta razão, não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor. ” (Ef 5:11-17).

Por trás desses homens e mulheres está o poder de Satanás; seus mentores são anjos caídos, e seus operadores de milagres são demônios ou espíritos imundos. Isto quando não usam de meros truques de mágica de salão, atores contratados ou técnicas de sugestionamento e hipnose spara enganar.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

     
 



Por que o Senhor nao nos deu a opcao de nao existir?

Você pergunta por que o Senhor não nos deu opção de não existir, considerando que ele é onisciente e sabia de antemão que muitos de seus seres criados odiariam a ideia de existir. Você diz que gostaria de ter continuado fazendo parte do nada, de não estar aqui, pois odeia viver e sempre pensa em suicídio

Sua dúvida é curiosa, pois como você poderia ter tido essa opção de nunca existir se nunca tivesse existido? Você não poderia saber o que é existir se não tivesse nascido, assim como o Senhor em quem creio e a quem sirvo não sabia o que era ser humano, até vir em carne e passar por toda dificuldade de alguém vivendo neste mundo. Ou melhor, passar por uma dificuldade ainda maior, já que ele, ao contrário de nós, era completamente puro e sem pecado vivendo em um mundo arruinado e cercado de pecadores.

Se você algum dia tiver crido em Cristo como seu Salvador saberá que mesmo antes de existir ele já tinha escolhido você para uma eternidade de bênção, alegria e paz, sem ter nenhum pecado de que se lamentar. Um filme de 90 minutos, filmado a 24 frames ou quadros por segundo, costuma ter um total de 129.600 frames. Nosso olho não é capaz de ver quadro a quadro, pois eles passam tão rápidos que acabamos enxergando o movimento ilusório que criam. Se em um filme de 90 minutos um quadro é quase imperceptível, como seria comparar o "quadro" de uma vida com a eternidade que Deus coloca diante dos salvos pela fé em Cristo. Isso dá para perceber a insignificância que a vida tem quando olhamos para o filme todo.

"Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor... Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados. Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada." (Ef 1:4; Rm 8:14-18).

Ao entender estas coisas você também saberá que a vida que tem agora não lhe pertence, mas pertence a Deus e é somente ele quem tem o direito de tirá-la. Daniel, no versículo 23 de seu capítulo 5, aparece dizendo ao rei Belsazar: "Deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tua vida, e de quem são todos os teus caminhos, a ele não glorificaste.". E Jó, um homem temente a Deus que passou por sofrimentos inimagináveis, disse: "Quem não entende, por todas estas coisas, que a mão do Senhor fez isto? Na sua mão está a alma de tudo quanto vive, e o espírito de toda a carne humana." (Jó 12:9-10).

O recado que o Espírito Santo dá a você e a cristãos desanimados e pensando em desistir é este: "Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus." (1 Co 6:19-20).

Você ficará surpresa com esta releitura da passagem no evangelho quando enxergada do ponto de vista de uma tentação de suicídio, pois era isso mesmo que Satanás queria que acontecesse com Jesus quando sugeriu que pulasse do alto do Templo, uma queda à qual um ser humano não sobreviveria.

"Então o diabo o transportou à cidade santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces em alguma pedra. Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus." (Mt 4:5-7).

O carcereiro de Filipos também decidiu se suicidar quando viu as grades da prisão abertas. Ele sabia que seria responsabilizado pela fuga dos prisioneiros e isso significava que antes de ser morto segundo a lei romana, seria torturado, para saberem se não tinha recebido propina para libertá-los. Sua família seria desterrada, e ele não viu alternativa a não ser usar a espada para tirar a própria vida.

"E, acordando o carcereiro, e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada, e quis matar-se, cuidando que os presos já tinham fugido. Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. E, pedindo luz, saltou dentro e, todo trêmulo, se prostrou ante Paulo e Silas. E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. E lhe pregavam a palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua casa. E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi batizado, ele e todos os seus. E, levando-os à sua casa, lhes pós a mesa; e, na sua crença em Deus, alegrou-se com toda a sua casa." (At 16:27-34).

Felizmente Paulo e Silas foram rápidos e aquele rude carcereiro receberia, não apenas a salvação eterna, mas também uma vida com propósito e significado no restante de seus dias. Quando você ler a carta de Paulo aos Filipenses verá que é uma das mais lindas cartas de Paulo e tudo nela mostra o apóstolo agradecendo o amor e gentileza daqueles irmãos. E quem eram aqueles irmãos? Muito provavelmente Lídia, comerciante de púrpura, a jovem liberta de um demônio que a fazia andar como louca gritando pelas ruas, e um carcereiro, embrutecido por sua profissão. Que doce deve ter sido para essas pessoas ouvirem as palavras do apóstolo em sua carta:

"Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós... Pela vossa cooperação no evangelho desde o primeiro dia até agora... Como tenho por justo sentir isto de vós todos, porque vos retenho em meu coração, pois todos vós fostes participantes da minha graça, tanto nas minhas prisões como na minha defesa e confirmação do evangelho. Porque Deus me é testemunha das saudades que de todos vós tenho, em entranhável afeição de Jesus Cristo... Portanto, meus amados e mui queridos irmãos, minha alegria e coroa, estai assim firmes no Senhor, amados... Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos. Seja a vossa equidade notória a todos os homens. Perto está o Senhor. Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei; e o Deus de paz será convosco." (Fp 1:3-9).

Você já viu um filme que começou bem chato e você quase desistiu, mas deixou rolar para ver o final e se surpreendeu? Pois é, não julgue o filme de sua vida pelo começo ou por uma ou outra frame ou quadro desfocado. Se você ainda não se converteu a Cristo então pode apostar que por mais que o filme tenha sido bonitinho aqui, no final vai virar filme de terror, pois "horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo" (Hb 10:31).

Mas se já tiver recebido o perdão de todos os seus pecados pela fé em Jesus e sua obra no Calvário, saiba que o que espera por você é o mesmo que Paulo estava esperando, e ele teve até uma amostra grátis disso em vida, mas era algo tão inacreditável que sequer poderia ser traduzido em palavras. Vamos deixar que ele mesmo nos diga com foi:

"Se é necessário que me glorie, ainda que não convém, passarei às visões e revelações do Senhor. Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) e sei que o tal homem ( se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe ) foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir." (2 Co 12:1-4).

Mas antes das cenas com as quais Paulo ocupava suas expectativas ele seria degolado, o que não deve ter sido muito confortável. Digo isto porque um degolado ainda pode continuar consciente e enxergando tudo por alguns segundos até seu cérebro parar de receber irrigação de sangue. Dr. Beaureux, um médico que em 1905 observava a cabeça do criminoso Henri Languille, executado na guilhotina, registrou que nos 25 a 30 segundos após a decapitação o homem abriu seus olhos e por duas vezes olhou em direção ao médico quando este o chamou pelo nome.

Não sabemos como Paulo se sentiu, mas podemos ter certeza que por mais traumática que tenha sido a saída de seu espírito de seu corpo, não demorou para ele ver o que tanto esperava, o Senhor, que ele chamou de "incomparavelmente melhor".

"Segundo a minha ardente expectativa e esperança de que em nada serei envergonhado; antes, com toda a ousadia, como sempre, também agora, será Cristo engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte. Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro. Entretanto, se o viver na carne traz fruto para o meu trabalho, já não sei o que hei de escolher. Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor." (Fp 1:20-23).

Mas não foi por suas próprias mãos que Paulo determinou o momento e o meio de sua morte, tirando a própria vida, pois ele sabia que sua vida pertencia a Deus e somente ele poderia determinar como e quando ela seria tirada. Como escreveu João, "nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele" (1 Jo 3:15).

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)


     
 


Todos devem se envolver com evangelismo?

Em Efésios 4:11-14 aprendemos que o Senhor, depois de subir ao céu, "deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.".

Esses dons neste capítulo são distintos das manifestações temporárias do Espírito Santo em 1 Coríntios 12, erroneamente traduzidas como "dons" em algumas versões. Um dom é permanente e dado por Cristo, uma manifestação é temporária, circunstancial e operada pelo Espírito Santo. Dos cinco dons dados por Cristo — e o número cinco na Bíblia nos fala da responsabilidade humana, com são os cinco dedos da mão — os dois primeiros, apóstolos e profetas, não existem mais. Eles foram dados como alicerce da "casa de Deus", tendo o próprio Cristo como "principal pedra de esquina", e agora restam apenas os dons utilizados na edificação das paredes. Paulo explica isso em sua carta aos Efésios, e quam já construiu uma casa com alicerce de pedras saberá de quê está falando:

"Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito." (Ef 2:20-22).

Dos três dons que restam hoje para serem usados na edificação da "casa de Deus", temos os "evangelistas", que saem pelo mundo em busca de material, pedras a serem lapidadas por Deus para serem colocadas nas paredes. Em seguida vemos os "pastores", que do mesmo modo com o pastor de um rebanho mantém as ovelhas unidas, na figura da construção eles são os que assentam as pedras com argamassa de amor e cuidado para que possam formar uma parede coesa. Os "mestres ou doutores" são os responsáveis pelo acabamento fino da construção, ensinando e explicando a doutrina.

Quando Paulo escreveu a Timóteo para fazer " obra de um evangelista" (2 Tm 4:5) foi porque Timóteo não era um evangelista por dom, mas podia e devia fazer esse trabalho, principalmente numa época em que se aplicava a expressão falando de alguns "que se batizam pelos mortos" (1 Co 15:29). Numa época de constante perseguição e morte de cristãos, os que iam chegando e sendo batizados eram como se fossem batizados para ocupar o lugar dos que tombaram no cumprimento do dever. Deviam tomar a bandeira largada e continuar a agitá-la.

A Filipe não era preciso dizer que fizesse a obra de um evangelista, pois ele é chamado de evangelista, mas não Timóteo. Então o mesmo vale para todo cristão, principalmente em uma época como a nossa, quando não é o evangelho da graça que está sendo pregado na cristandade, mas um evangelho de obras e cerimônias. Grande parte dos que se dizem cristãos sequer desfrutam da certeza de sua salvação, acreditando que a obra de Cristo é insuficiente sem a ajuda do homem. Para melhor explicar isto deixo você com John Thomas Mawson, um autor cristão que viveu entre 1871 e 1943 e deixou vários livros, artigos e hinos.

A obra do Evangelho

Alguns temem que existe o perigo de nos tornarmos, como cristãos, evangelistas demais. Este é um medo estranho e aqueles que sentem isso devem ter absorvido um evangelho estranho, ou tristemente desviados do verdadeiro, se é que o conheceram. É possível nos tornarmos mais evangelistas do que o apóstolo Paulo, que, com um zelo persistente e fé indomável, levou o glorioso evangelho a judeus e gregos, bárbaros e citas, servos e livres? É possível que tenhamos mais compaixão de coração e atividade incansável do que Aquele que disse: “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres"? Se a resposta for não, então não precisamos temer, não há perigo de nos tornarmos evangelísticos demais.

A tendência, é triste dizer, está na direção oposta, não, não é uma tendência meramente deplorável, mas o triste fato de que o espírito evangelístico, que é o verdadeiro espírito do cristianismo, parece pronto para morrer. A indiferença ao bem-estar eterno das almas dos homens por parte da vasta maioria dos cristãos é aterradora e deve causar grande exercício de consciência e busca de coração. Essa indiferença, e o fato de alguns temerem que sejamos "evangelistas demais", é apenas uma triste evidência de que o amor de muitos esfriou.

Foi dito por um irmão em Cristo: "Creio que o cristão que não está cultivando um espírito evangelístico está em uma condição verdadeiramente deplorável. Também creio que a assembleia que não está cultivando e manifestando um espírito evangelístico está em um estado morto. Uma das mais principais marcas de crescimento espiritual e êxito é a ansiedade sincera pela conversão das almas. É difícil acreditar que 'a palavra de Cristo' está 'habitando ricamente' em qualquer um que não esteja fazendo algum esforço para transmitir essa Palavra a seus companheiros pecadores. Não importa o tipo de esforço; pode ser deixar cair algumas palavras no ouvido de um amigo, dar um folheto, escrever um bilhete, fazer uma oração. Mas uma coisa é certa, a saber, um cristão saudável e cuidadoso será um cristão evangelista - um narrador de boas novas - cujas simpatias, desejos e energias estão sempre indo em direção às "regiões celestiais".

Mas precisamos entender o que é o trabalho evangelístico, para não sermos enganados pelo que é artificial e não por Deus. Não é um trabalho evangelístico adotar métodos sensacionais, atuar sobre
sentimentos de histeria e produzir convertidos que duram um dia, uma semana ou até que o estímulo acabe; essa é a obra do diabo, seja lá o que for que isso pretenda ser. Os resultados disso são muitas vezes repugnância ou suspeita do trabalho evangélico em geral por parte de homens "que pensam", ou uma indiferença insensível daí em diante, ou desespero da parte daqueles que vieram sob sua influência. Neste caso, a obra de Deus é desacreditada, e somente Ele pode calcular o dano dessa prática.

O trabalho evangelístico não é meramente a realização de serviços evangélicos, como uma rotina regular para isso e, portanto, necessariamente, deve ser mantido; sobre tais serviços, muitas vezes há uma formalidade gélida, uma formalidade que endurece com uma dureza terrível aqueles que os frequentam regularmente. Isso é frequentemente visto nos jovens que são filhos de pais cristãos. O "endurecimento do evangelho" tornou-se uma frase muito usada, mas essa triste condição descrita se deve em grande parte a esses serviços inoperantes e sem poder. Felizmente admitimos que os cultos regulares da domingo à noite são muitas vezes meios de grande bênção para muitos, que aqueles que o mantém o façam em dependência de Deus e comunhão com o Senhor, e o espírito evangelístico esteja em evidência nessa reunião de não convertidos.

A genuína atividade de levar o evangelho brota do amor divino que Deus implanta no coração de um homem que é salvo, e esse amor o faz desejar a bênção dos outros. É verdade que o desejo mais ardente que sempre inflamou o coração de um cristão pelas almas dos homens não é nada comparado aos desejos ilimitados do coração de Deus; no entanto, esses desejos são os mesmos em natureza e caráter, pois o amor divino não pode agir de maneira diferente no cristão, da maneira como age no Pai. Esse amor é iluminado no coração pelo contato com Cristo, e é mantido em chamas quando sua companhia é mantida. Deve encontrar sua vazão na atividade graciosa, a qual, para ser eficaz na bênção, deve ser dirigida pelo Senhor. "Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens".

Um evangelista não se satisfaz com o púlpito, não importa quão eloquentemente possa discursar, mas é alguém que, mesmo com dificuldades ao falar e com as ideias meio fora de ordem, vai atrás das pessoas porque ama suas almas, que carrega consigo as boas novas, porque emociona sua própria alma como um sonido de trombeta, que as apresentará a Cristo a qualquer custo, porque Cristo se tornou indescritivelmente precioso para ele. Precisamos orar para que Deus levante tais pessoas nestes dias frios e mortos, homens cujo amor os fará "sofrer pelas almas", e estar no tempo e fora do tempo em sua determinação de alcançá-las, e que possamos desejar ser tal.

Mas nossas atividades devem estar em Seu Nome, pois essa é a comissão que nosso Senhor deu. Podemos fazer isso por Sua autoridade e contar com o "todo poder" que é dado a Ele, mas o trabalho deve ser feito como Ele faria se Ele estivesse aqui, pois estamos em Seu lugar para proclamar a Palavra que dá vida — como seus representantes, seus embaixadores, essa é a importância de "em Meu Nome". Consideração solene! É necessário recusar de todos os métodos e motivos na realização dessa obra que não sejam consistentes com esse Nome; é necessário também recusar a popularidade no mundo e a aceitar o caminho que Ele trilhou.

"Ainda está bem, e Tu, mas disse na época,
"Como o Mestre é, o servo será"
Não me deixe deslizar sutilmente para a deslealdade,
Buscando uma honra que eles não deram a Ti"

"Em Meu nome" define também o caráter que o servo deve carregar, pois declara o caráter do Mestre. E como descreveremos isso? Mansidão, humildade, longanimidade, paciência, perdão, terna compaixão e amor inabalável, tudo isso e muito mais brilhou Nele com um resplendor maravilhoso, e é nosso para reproduzir esse caráter em nosso serviço entre os homens. Oh, a dignidade disso! A distinção! Que privilégio incalculável! Será que não devemos abraçar essa tarefa e, em humilde dependência de Deus, tornar nossas vidas um incessante salmo de ação de graças a Ele por Sua graça, que nos permitiu ter uma parte nesta obra de Deus? — "Magazine Ministry: The Work of the Gospel" — J. T. Mawson.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
     
 


More Recent Articles


You Might Like

Safely Unsubscribe ArchivesPreferencesContactSubscribePrivacy