Ouço as pessoas falarem desse papo de amor à distância, de esperar ficar mais velho, de dar um tempo. Eu fico quieta, mesmo já tendo enfrentado isso algumas vezes. Esse papo de saudade é bom. Não é nada. A verdade é que quando a gente descobre ...

Click here to read this mailing online.

Your email updates, powered by FeedBlitz

 
Here is a sample subscription for you. Click here to start your FREE subscription


"Relemblala" - 5 new articles

  1. Bom é bem perto
  2. I found you
  3. Transição
  4. Patins
  5. Exigente
  6. More Recent Articles

Bom é bem perto

Ouço as pessoas falarem desse papo de amor à distância, de esperar ficar mais velho, de dar um tempo.

Eu fico quieta, mesmo já tendo enfrentado isso algumas vezes. Esse papo de saudade é bom. Não é nada. A verdade é que quando a gente descobre que aquela pessoa é o homem da sua vida, não queremos passar nem mais um segundo longe. O único amor à distância que tolero são alguns centímetros de distância na hora de dormir
    

I found you

O Natal é supostamente uma data em que queremos ficar perto da família. Mas desde que te conheci isso não é o suficiente, quero você também.

Longe há quatro dias de você, sinto uma saudade de distâncias relativas à velocidade da luz, isso é o que parece o Rio de Janeiro. Sempre foi assim, mas é pior a cada dia mais.

Pode parecer brega, mas o maior presente quem me deu neste ano foi você. A vida mudou desde que você mudou pra cá. Eu mudei e comecei enxergar a vida de uma outra forma. Me sinto mais leve, mais segura, mais madura. Quase outra pessoa.

Eu sei que pra você não deve ter sito fácil conviver comigo em muitos momentos. Vejo hoje como eu posso ser chata e ao mesmo como é bom quando consigo ser fácil.

Eu vivia acostumdada com o drama e você me mostrou a alegria que é possível viver a vida.

Você me mostrou como melhorar da maneira mais doce e paciente possível.

Acordo todo dia ao seu lado sentindo uma felicdade que nunca senti antes. Me sinto completa. Talvez isso soe óbvio pra você, mas eu demorei muito tempo pra chegar até aqui.

Além do amor, que já é raro, existe também toda uma outra sintonia. Você entende meu humor e eu entendo o seu. Gosto de fazer o que você faz e vice-e-versa. Gosto da sua cidade e você, mais ou menos, também vice-e-versa.

Eu admiro seu talento e inteligência e é muito bom ver você realizado e eu sei que você também sente isso de mim. Você está sempre me apoiando e eu só tenho a agradecer.

Me parecia impossível encontrar no amor tantas coisas que fizessem tanto sentido.

Mas eis que encontrei você.
    

Transição

No começo da adolescência eu costumava achar que aos 25 anos eu me casaria. A conta era simples na minha cabeça racional: se minha mãe se casou aos 22, era só dar o desconto da modernidade dos tempos. Só que aos 25 percebi que as contas do lado racional não é suficiente na hora de tomar decisões e muito menos para ter poder sobre meu destino. Se antes os 25 eram a idade para ter filhos, hoje me parece a idade da fase de transição da adolescência para a fase adulta. Pelo menos pra mim. Não me identifico mais com o meu passado. Mas é muito difícil entender que a adolescência ficou para trás. Dá saudade. Ao mesmo tempo, o futuro me assusta com sua necessidade de colocar cada vez mais peso nas minhas decisões. E é claro que eu me volto para o passado em busca de alguma experiência me ajude nas respostas. Mas nada se encaixa, quero novas respostas, novos desafios e quero distância das minhas lembranças. Elas me dão um vazio, não me completam, me enchem a paciência. Gostaria de esquecê-las. Essa fase de transição é dureza. Me disseram que eu iria me sentir velha, mas me sinto cada vez mais nova, uma jovenzinha reclamando sobre coisas que eu sei que são besteiras para quem já passou por isso. Acho tudo uma mistura de coisas pesadas demais e levianas demais. É como se eu conseguisse me enxergar aos 80 anos, rindo de mim mesma hoje. Só que não tem como se livrar desses questionamentos. Vejo as pessoas tão decididas, com rumos tão certos, mas eu só consigo me arrumar mais perguntas. Ou então vejo alguns que se perderam na eterna adolescência, como se a vida fosse um eterno intervalo entre o carnaval e o natal. Isso me enoja. Tenho achado difícil viver essa fase de transição. É tudo tão enevoado, fica difícil saber onde vou pousar, onde quero aterrissar. O lado bom de viver uma transição é que, como a palavra sugere, ela é temporária, só não sei quanto vai durar esse tempo.
    

Patins

Se nada der certo, já sei qual vai ser o meu próximo emprego: vou me tornar patinado do Carrefour. Foi em um dia em que me sentia aprisionada dentro de mim que descobri os patins. Ao vestir aquelas botas pesadas, não imaginava que aquelas rodinhas enfileiradas podiam me dar tanta liberdade. Comecei a deslizar pelo chão macio da quadra e meu jeito atrapalhado desapareceu. Logo ganhei a confiança para girar, brincar e até andar de costas. Ao subir naqueles patins me sinto leve, quase flutando sobre o chão, feliz com a deliciosa adrenalina que me dá frios na barriga quando arrisco uma nova manobra. Me sinto livre de mim mesma e das minhas autocríticas. Acho que estou apaixonada.
    

Exigente

Qual é a diferença entre quem você e aquela pessoa que você gostaria de ser?
O resultado desta equação, em alguns casos, pode deixar uma pessoa louca.
Descobri tudo o que passa pela minha cabeça durante o dia são cobranças e eu não consigo me deixar em paz.
Encolha a barriga, arrume a postura, acorde mais cedo, durma mais cedo. Ou aprenda a dormir menos.
Leia mais, leia mais o jornal, seja mais informada. Seja mais rápida, cometa menos erros.
Coma menos doces, se alimente melhor, faça exercícios. Vá para praia, aproveite os amigos, aproveite a família.
Seja menos chata com seu namorado, seja menos bagunceira, seja menos impaciente e mais flexível.
Faça cursos, aprenda outras línguas, volta a tricotar, veja mais televisão. Faça as unhas, mude o cabelo.
Que inferno! A verdade é que minhas exigências estão fazendo da minha vida um inferno.
Acabo ficando cada vez mais ansiosa, com mais dores nas costas e cada vez menos feliz.
Preciso aprender a levar a vida mais numa boa.
Mas pelo jeito, desejar isso é fazer mais uma exigência em relação à mim.
    

More Recent Articles


You Might Like

Click here to safely unsubscribe from "Relemblala."
Click here to view mailing archives, here to change your preferences, or here to subscribePrivacy